Economia

Espinho: Grupo Tagar investe 28 milhões de euros para criar Centro Empresarial

Depois de instalar no Centro Empresarial da Feira marcas como a Faurecia, a McDonalds e a Parfois, o Grupo Tagar avançou ontem com um novo investimento imobiliário destinado a proporcionar soluções de aluguer chave-na-mão para empresas da indústria e dos serviços.

Começou ontem, dia 22, a ser construído o Centro Empresarial de Espinho, que será o primeiro equipamento desse município a apresentar espaços prontos para ocupação imediata por firmas do setor industrial, marcas de serviços e profissionais liberais. O projeto é do Grupo Tagar e representa um investimento de 28 milhões de euros, metade dos quais financiados com capitais próprio desse conjunto de empresas especializado em construção civil, energias renováveis e equipamento industrial de grande porte como gruas e plataformas elevatórias.
A primeira experiência do Grupo Tagar em espaços para ocupação imediata em formato chave-na-mão foi o Cento Empresarial da Feira, que desde 2017 funciona nas antigas instalações da gigante de calçado Rohde e atualmente acolhe cerca de 70 firmas, estejam elas instaladas em pavilhões industriais ou em escritórios mais vocacionais para serviços, empresários individuais e outros profissionais. Qualquer que seja a dimensão do espaço em causa, o facto é que cada locação foi entregue ao devido inquilino de acordo com as especificações técnicas exigidas à atividade da sua empresa, o que levou a que se instalassem no referido equipamento marcas como a Faurecia, McDonalds, Parfois, Resiway, AESSEAL, RentPiano e FuneralBooking.
Para Hugo Pinto, diretor de investimentos do Grupo Tagar, faltava agora criar uma infraestrutura idêntica em Espinho, cujo tecido empresarial vem ocupando sobretudo imóveis de tipologia tradicional e “já há alguns anos reclama alternativas mais sofisticadas, com maiores preocupações energéticas e ambientais, e serviços partilhados para otimização de recursos”. Localizado na freguesia de Paramos, na fronteira com o concelho de Ovar, o novo centro empresarial vai corresponder a essas expectativas: implantado num terreno de 58.000 metros quadrados e reservando 23.000 para construções cobertas, vai dispor de valências comuns como salas de reuniões e cafetaria, e incluirá estacionamento próprio com capacidade para 500 viaturas e pontos de carregamento para veículos elétricos.
“Isso representa um nível de modernidade completamente novo para Espinho, o que acreditamos que funcionará como um estímulo para a atividade das empresas e profissionais que se associarem ao projeto, dada a dinâmica que todo o complexo vai ter e a rede de contactos e parcerias que facilitará”, garante Hugo Pinto.
Betão pré-fabricado no edifício e paisagismo na envolvente
O projeto do novo Centro Empresarial de Espinho é do arquiteto italiano Alex Tona, que revela que o edifício será construído em betão pré-fabricado e exibirá uma “traça modernista especialmente cuidada ao nível estético”, para que imóvel e respetivas zonas verdes se adequem devidamente às estruturas habitacionais da envolvente. “Estamos a falar de uma zona de passagem com algum movimento e queremos salvaguardar o enquadramento de tudo, portanto todo o edifício vai ser circundado por jardins e a envolvente dos espaços empresariais será sujeita a arranjos exteriores de arquitetura paisagística”, diz o arquiteto.
O local também vai envolver uma intervenção cuidadosa ao nível de acessibilidades, o que, segundo Alex Tona, se concretizará em dois domínios: um estritamente rodoviário, que pretende assegurar “arruamentos mais largos do que o habitual para evitar que um carro parado seja o suficiente para impedir a circulação dos camiões”; e outro ao nível da mobilidade para todos, que prevê o “rebaixamento de passeios e outras medidas necessárias para uma circulação que não coloque quaisquer impedimentos” a pessoas com deficiência ou incapacidade temporária, ciclistas e cidadãos com carrinhos de bebé ou similares.
No contexto energético, estão igualmente a ser avaliados os requisitos exigidos em termos de certificação para que o Centro Empresarial de Espinho seja “ambientalmente responsável”. Entre as soluções cuja instalação já está prevista incluem-se painéis fotovoltaicos para conversão de energia solar em eletricidade a utilizar no aquecimento de águas e salas, reguladores de fluxo de água para redução do desperdício e sistemas de captação e filtração de águas pluviais para reutilização em autoclismos e regas.
Pavilhões ecoindustriais pensados para trabalho por turnos
Alex Tona realça que o objetivo dessas medidas de eficiência energética é garantir que “todas as marcas instaladas no local possam funcionar como empresas ecoindustriais”, de acordo com uma política que visa a partilha de recursos comuns, o auxílio mútuo e “a preocupação de deixar na comunidade a menor pegada ambiental possível”. Isso não invalida, contudo, que cada pavilhão com 5.000 a 6.000 metros quadrados de área útil possa ser rentabilizado ao máximo em termos de produção, pelo que, antes das especificações requeridas pelos respetivos inquilinos, esses espaços apresentarão apenas um número mínimo de divisórias internas e privilegiarão o conceito open space.
No mesmo espírito de competitividade, também o estacionamento do novo centro empresarial reserva, entre os seus 500 lugares, mais de 100 para uso exclusivo de funcionários das empresas aí instaladas. O arquiteto explica que isso visa assegurar “aparcamento sempre disponível mesmo nas mudanças de turno”, em específico naqueles momentos em que, estando alguns funcionários ainda a trabalhar, os que chegam para os substituir poderiam não encontrar lugares vagos a tempo de iniciar funções no horário exato.
Hugo Pinto admite que, para grande parte da população, esses podem parecer detalhes menores, mas garante que, para um empresário e empregador, o que está em causa são “mais-valias que representam ganhos consideráveis de eficiência e competitividade, sobretudo quando multiplicados por vários funcionários e por dias sucessivos”. Numa altura em que os próprios governos começam a legislar sobre a necessidade de separar a vida profissional da pessoal, o diretor de investimentos do Grupo Tagar defende, aliás, que “esse equilíbrio passa não apenas por gerir bem cada euro, mas também por gerir ainda melhor cada minuto e cada segundo”.
Tags
Show More

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close