Sociedade

Scott Matthews, Diogo Piçarra, Luísa Sobral e Silva, em Ílhavo, no primeiro trimestre de 2019

O regresso de um ciclo de concertos e a estreia de outro, os aniversários do blog “A Certeza da Música e de “Um ao Molhe” no feminino no Convés”, novos percursos pela arquitetura ilhavense, duas dezenas de espetáculos e um grande encontro de mediação no Laboratório das Artes do Teatro Vista Alegre, marcam o primeiro trimestre de 2019 do projeto cultural 23 Milhas, da Câmara Municipal de Ílhavo.
O início do próximo ano reserva quatro grandes concertos: Scott Matthews apresenta o seu novo disco “The Great Untold” no dia 1 de fevereiro; Diogo Piçarra comemora o dia dos namorados, na Casa da Cultura de Ílhavo, numa tour especial para auditórios (15 de fevereiro); Luísa Sobral traz o novo disco “Rosa”, no dia 15 de março, a Ílhavo; e, a 23 de março, Silva apresenta “Brasileiro”.
Um trimestre que fica ainda marcado pelo regresso do ciclo de concertos “Acorda à Tarde”, numa edição que aposta, por um lado, na divulgação de músicos internacionais emergentes, e, por outro, em dar palco local a músicos ilhavenses que são um sucesso fora de portas. Ricardo Panela, Óscar Graça, o escocês David Keenan e a dupla alemã Ceeys são os nomes que se vão apoderar das tardes de domingo no Laboratório das Artes do Teatro Vista Alegre.
Na Fábrica das Ideias da Gafanha da Nazaré, o Convés volta a encher-se de festa. O aniversário do blog “A certeza da música” comemora-se com Señoritas, Lobo Mau e Tio Rex. O mesmo blog assume as “Quinta de (in)Certeza”, um novo ciclo de concertos no Convés. Frankão, o Gringo e Wipeout Beat juntam-se a Rui Oliveira e Alex Duarte (Outonalidades) para quatro quintas-feiras de música. Também no Convés, o “Um ao Molhe” dedica a edição deste ano, que acontece no Dia Internacional da Mulher (8 de março), à música no feminino, com três “one woman show”.
“Alice no país das maravilhas”, de Ricardo Neves-Neves, ainda em janeiro (25) é uma superprodução do Teatro Elétrico, cuja digressão passa na Casa da Cultura de Ílhavo. Na dança, o espetáculo “Le Temps Perdu”, da coreógrafa belga Isabelle Beernaert, tem a sua única passagem por Portugal marcada para Ílhavo, depois de uma residência artística de vários meses no Cais Criativo da Costa Nova.
Nota ainda, nestes três primeiros meses de 2019, para dois concertos da Orquestra XXI, o encontro de mediação “Territórios Públicos”, as peças “Pela Água”, de Tiago Correia, e “As Cartas de Damasco”, de Ana Lázaro, no despontar daquela que será, ao longo do ano, uma programação que pensa o tema da democracia.
Os percursos de arquitetura “Olhar por dentro” continuam e renovam as suas visitas e as suas descobertas.
Além disso, o 23 Milhas acolhe seis residências artísticas e aposta, como sempre, na componente formativa, numa ligação estreita com as escolas e a comunidade.

Foto:DR

Tags
Show More

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close