Entrevistas

Ana Jesus: Um Livro que fala de Traição & Amor

Porque existe tanta dificuldade em falar de Traição?

Este livro fala de um Movimento diferente, que é chegar ao Amor através da traição. É facto que é difícil falar de traição, percebi isso através da minha experiência e de muitas pessoas que acompanhei. A traição é um acto que gera raiva, revolta, julgamento, sofrimento, rejeição, enfraquecimento pessoal e social, para qualquer um dos envolvidos. Talvez a dificuldade seja ainda amplificada perante uma sociedade que vive para o parecer, focada na imagem do casal perfeito, da família e vida perfeitas. Quando uma traição surge num relacionamento, não falar dela, mantem a fachada. É um tema complexo, silenciado ao longo de várias gerações, por motivos de diversas ordens (culturais, sociais, religiosas, politicas e até económicas). Ao longo deste livro menciono muitas das motivações para que se tenha mantido em segredo tornando difícil a sua abordagem. O mais importante feedback diz a autora, Ana Jesus, é ler este livro como se estivéssemos a ouvi-la, na primeira pessoa.

Por: Andreia Gonçalves

E o que é a traição aos seus olhos?
Antes de  começar a falar do livro, esclareço o leitor sobre o que é traição no contexto desta história: “A Traição é o erro que quebra a lealdade ou a fidelidade que se deveria guardar para com alguém ou algo. Considero que existiu uma traição sempre que um dos parceiros se envolve de forma amorosa, íntima, emocional ou sexualmente com outra pessoa fora do relacionamento, sem que o outro saiba e tenha consentido previamente esse tipo de relacionamento. A traição aos meus olhos é este movimento.

 

Este livro mostra-nos que afinal é possível perdoar após a traição. Quais são as maiores dificuldades para este passo?
Gosto mais de falar em resgate de confiança do que em perdão. As maiores dificuldades para dar este passo de resgatar a confiança ou “perdoar”,  é conseguir identificar os contornos da traição e quais crenças estão enraizadas em mim,  que permitem que o outro me destrua  por uma escolha inconsciente e unilateral. É difícil chegar a este perdão, porque a raiva não nos permite este tipo de clareza e sobriedade.
Há uma dissociação que é fundamental ser feita que me permita observar: o acto do outro e o impacto que teve em mim. Quando conseguimos fazer este exercício tudo se torna mais lúdico, porque deixamos de nos considerar o centro do problema, responsabilizamos o outro pela sua acção.  Este foi um dos movimentos fundamentais para caminhar em direção ao resgate da confiança e “perdão” mas acima de tudo deixar ir a raiva que enlouquece e  cega.

Transformar Triângulos em Círculos é uma imagem forte neste livro. Para quem está neste lugar, seja no amor, na amizade, como se consegue ver de fora e avaliar a situação?
Conseguimos ver de fora quando nos colocamos dentro do Triangulo como parte dele e não como vítimas do processo. Transformar triângulos em círculos é quando conseguimos dissociarmos da nossa posição, olhar de frente para o outro como indivíduo, o traidor, a amante e o traído. Quando conseguimos ocupar o lugar de cada um deles e entender que num triangulo todos sofrem e … se faço parte dele não é por acaso.

A raiva é o q mais nos fica no nosso percurso de vida. Como terapeuta como nos pode ajudar a entender a necessidade dessa libertação?
A Raiva só pertence a quem a sente. É uma das emoções com baixa vibração. É fácil perceber que quando enraivecidos, o corpo sofre alterações: ficamos vermelhos, transpiramos mais, batimentos cardíacos aceleram, a oxigenação diminui e consequentemente a capacidade de raciocínio. Este movimento coloca-nos num estado de alerta constante, com produção excessiva de cortisol que é o hormônio produzido no cérebro quando expostos ao stress. O Cortisol quando produzido em excesso intoxica os nossos órgãos, comprometendo todo o sistema imunitário.

Por ter este poder destrutivo da saúde, uma das prioridades num processo de traição é acalmar a raiva, tentar diminuir a intensidade, começar a investigar de imediato as crenças que levam a sentir dessa forma. Ao mesmo tempo introduzir logo uma alimentação pobre em açucares e gorduras, beber muita água, fazer exercício que permita produzir hormônios benéficos como Endorfinas que promovem bem-estar e e reduzem os efeitos produzidos pela raiva.  Mesmo que emocionalmente o equilíbrio seja difícil há que procurar soluções práticas que combatam os efeitos da raiva. Libertar a Raiva é fundamental para ganhar clareza mental, saúde física e evitar doenças cronicas

Em tempos de pandemia, em gabinete, quais são os problemas que mais têm levado até si?
Em contexto de Pandemia, foi essencialmente a ansiedade o medo da morte e o novo luto que mais pessoas trouxe. No entanto muitas pessoas resolveram iniciar um processo de autoconhecimento para o qual procuram alguma orientação

 com um real Autoconhecimento conseguimos dar e receber o melhor na nossa existência. Concorda?
Concordo sim. É quando eu me conheço que conheço o outro, ao reconhecer os meus erros e falhas, permito-me aprender com eles e superar-me, e dessa forma olho para os erros dos outros compassivamente, sabendo que eles não são esses erros e também os poderão superar. A grande utilidade do autoconhecimento é para o mundo, porque quando melhoro a minha relação comigo eu melhoro a minha relação com o mundo, e em vez de julgador sou um orientador para um mundo melhor

Dados da autora

Ana Jesus vive entre a atividade de empresaria como produtora & manager artística e a de Orientadora Sistémica e terapeuta. Com Licenciatura de base em Animação Sócio cultural Pelo Instituto Superior de Educação Jean Piaget, pós-graduação académica em Neuro Educação pelo Instituto Superior de Psicologia e Hipnoterapia cognitiva e comportamental Hypnos e Sofia Bauer(Belo Horizonte).

Tags
Show More

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close