Saúde

Hospital de São João no Porto atinge “marco histórico” com 53.720 cirurgias em 2021

O Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ), no Porto, realizou 53.720 cirurgias em 2021, um “marco na sua história” dado ser o maior número de doentes operados em 63 anos, anunciou hoje.

“Este resultado constitui o maior número de doentes operados em 63 anos, representando 8 a 10% de toda a produção nacional cirúrgica convencional programada”, referiu a unidade hospitalar, em comunicado.

Com a suspensão da atividade eletiva não urgente e a reabertura dos centros de saúde, o hospital anteviu um aumento da pressão, antecipou a resposta e criou circuitos que permitissem o tratamento de todos os doentes covid-19 e não covid-19, explicou.

Nesse sentido, o São João redimensionou a unidade pós-anestésica para dar resposta à atividade eletiva e libertar camas de medicina intensiva, otimizou a capacidade dos blocos operatórios, aumentou o número de salas operatórias de ambulatório e ampliou a ambulatorização, iniciou a monitorização domiciliária dos doentes operados, dinamizou a hospitalização domiciliária e desenvolveu a app `My São João´, esclareceu Elisabete Barbosa, diretora da Unidade Autónoma de Gestão (UAG) de Cirurgia do CHUSJ, citada na nota de imprensa.

“Terminámos 2021 com um aumento de 17% das cirurgias realizadas, correspondendo a mais 7.898 cirurgias face a 2020. Houve uma redução significativa da mediana de espera para 1,5 meses e, pela primeira vez, a resolução de todos os doentes a aguardar cirurgia há mais de um ano, sendo que 94% dos doentes foram operados dentro do Tempo Máximo de Resposta Garantidos”, acrescentou.

O centro hospitalar registou também, em 2021, uma melhoria dos indicadores relacionados com o tempo e qualidade de resposta aos doentes oncológicos em estádios mais avançados por atraso no diagnóstico, sublinhou.

Elisabete Barbosa ressalvou que, apesar da pressão da pandemia, o centro hospitalar realizou cirurgias inovadoras e diferenciadas ao nível de centros mundiais de referência.

“Fomos procurados por doentes e instituições para resolução dos casos mais complexos”, vincou.

Com a estabilização da Lista de Espera para Cirurgia e melhoria da acessibilidade à cirurgia programada não foram, nos últimos meses, emitidos vales cirúrgicos para o exterior, revelou.

A diretora da Unidade Autónoma de Gestão de Cirurgia lembrou que, desde maio, inverteu-se este circuito e o hospital começou a receber doentes de todo o país, em colaboração com outros hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e competindo com as instituições privadas e sociais.

“Os últimos dois anos foram de uma exigência inimaginável, mas as equipas mantiveram o entusiasmo e a motivação, o que permitiu a recuperação da atividade não realizada nos anos anteriores. O grande desafio para 2022 será a cirurgia robótica, projeto que perseguimos desde 2019 e que iremos concretizar”, concluiu.

SVF // JAP

Tags
Show More

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close