Sociedade

Salão Egípcio recuperado será novo cartão de visita de Braga

Intervenção preserva originalidade do espaço histórico situado na rua do Souto

Após décadas de incerteza, o histórico Salão Egípcio está a ganhar nova vida. O salão, que apresenta pinturas com motivos egípcios da autoria do pintor Bracarense Lúcio Fânzeres, está a ser recuperado e ficará integrado numa nova unidade de alojamento local que irá nascer neste imóvel situado na Rua do Souto, em Braga.
Para o presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, este é um projeto de recuperação de excelência que “será, certamente, merecedor de reconhecimento ao nível da reabilitação urbana”. “É com muita satisfação que vemos o Salão Egípcio completamente recuperado e integrado num projeto que tem este cunho de salvaguarda do património e de toda a sua dimensão estética e funcional”, referiu o autarca durante uma visita realizada à obra.
Ricardo Rio lembrou que o Salão Egípcio estava num estado de degradação avançado, situação que causou muita apreensão por parte de toda a sociedade Bracarense. “Em 2014, quase uma década após o pedido de classificação apresentado por uma associação Bracarense de defesa do Património, a Câmara Municipal assumiu a classificação do Salão Egípcio e, desta forma, assegurou a integridade deste edifício reconhecido como expressão da originalidade da arquitetura de interiores na Cidade de Braga”, assinalou o edil.
A unidade de alojamento, que deverá ficar concluída no prazo de um ano, é constituída por nove quartos situados nos pisos superiores, assim como uma área para a realização de pequenos eventos. O rés-do-chão do edifício setecentista terá uma vertente comercial.
O projeto promovido por um privado salvaguarda os elementos de valor decorativo e histórico, com especial atenção para o Salão Egípcio e para uma outra sala decorada com uma pintura originária que remonta à época romântica.
Miguel Bandeira, vereador da Regeneração Urbana e do Património, recorda que o Salão Egípcio “é um dos últimos testemunhos sobreviventes no país do Orientalismo revivalista que teve uma particular expressão nas artes decorativas da primeira metade do Século XX em Portugal”. O vereador enaltece ainda o cuidado que o promotor teve no projeto de reabilitação do edifício ao preservar a arquitetura do edifício e todos os seus elementos decorativos que “será uma mais-valia para a Cidade e um exemplo a seguir em outras intervenções”, concluiu.

Foto: DR

Tags
Show More

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close